Serviço Social
>> 15/05/2014 - Pacientes da radioterapia recebem festa de manhã de comemoração ao dia das mães
>> 16/04/2014 - Pacientes da radioterapia ganham manhã de comemoração a páscoa
>> 11/04/2014 - Projeto Sala de espera da radioterapia recebe musicoterapeuta e educadora física
>> 26/03/2014 - Assistente Social fala sobre o papel da mulher na sociedade atual
>> 14/03/2014 - Serviço de Radioterapia promove manhã de beleza para pacientes
>> 21/02/2014 - Ciclo de palestras do ambulatório discute sobre câncer
>> 16/01/2014 - Serviço de Radioterapia promove manhã de beleza para pacientes
>> 19/11/2013 - Hospital São Marcos realiza Campanha de Combate ao Câncer 2013
>> 19/11/2013 - Hospital São Marcos promove palestra de conscientização da doação de sangue
>> 14/11/2013 - Hospital São Marcos realizará Campanha de Doação de Sangue
>> 28/10/2013 - Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista lança campanha jovens corações no estado
>> 13/06/2013 - Ciclo de Palestras do Ambulatório fala sobre o uso drogas
>> 31/05/2013 - Ciclo de palestras do ambulatório fala sobre Esclerose Múltipla
>> 23/05/2013 - Segundo dia do ciclo de palestras do ambulatório fala sobre saúde da mulher
>> 21/05/2013 - Ciclo de Palestras do Ambulatório fala sobre infecção Hospitalar
>> 30/11/2012 - Hospital São Marcos realiza dia "D"
>> 29/11/2012 - Quarto dia da campanha Diagnóstico Precoce: Sua Chance de Cura aborda radioterapia, quimioterapia e CA Infantil
>> 28/11/2012 - Terceiro Dia da Campanha Diagnóstico Precoce aborda Câncer de Mama, Colo de útero, pulmão e dá dicas de cuidados aos pacientes
>> 28/11/2012 - Segundo dia da Campanha Diagnostico Precoce: Sua Chance de Cura aborda câncer de colo de útero, alimentação saudável e câncer de intestino
>> 27/11/2012 - Profissionais tratam de aspectos gerais sobre câncer
>> 09/11/2012 - Hospital São Marcos Lança Campanha: Diagnóstico Precoce: Sua Chance de Cura
>> 01/11/2012 - Diagnóstico Precoce: Sua Chance de Cura- Campanha de Combate ao Câncer 2012
>> 13/09/2012 - Ciclo de Palestras fala sobre Tuberculose
>> 29/08/2012 - Palestra no Ambulatório do HSM alerta para a prevenção da Osteoporose
>> 14/08/2012 - Ciclo de Palestra: Especialista explica sobre os atendimentos da Fonoaudiologia Hospitalar
>> 14/08/2012 - Palestra: Câncer de Rim é mais comum entre homens na faixa etária dos 40 a 50 anos
>> 15/09/2011 - Pneumologista alerta para a prevenção do câncer de pulmão
>> 14/09/2011 - A tuberculose é a terceira causa de morte por doenças infecciosas
>> 14/09/2011 - Palestra: hiperidrose atinge até 2% da população
>> 11/02/2011 - Ambulatório do Hospital São Marcos encerra ciclo de palestras do mês de fevereiro
>> 09/02/2011 - Hospital São Marcos segue com mais palestras
>> 08/02/2011 - Rinite é tema do segundo dia de palestras no Ambulatório
>> 07/02/2011 - Clínicas de Otorrinolaringologia e Ortopedia iniciam ciclo de palestras no Ambulatório
>> 07/02/2011 - Hospital São Marcos inicia ciclo de palestras no Ambulatório
>> 17/12/2010 - Hospital São Marcos realiza almoço de Natal
>> 07/12/2010 - Armazém da Saúde mostra como ter uma alimentação saudável
>> 26/11/2010 - São Marcos promove atividade na Praça João Luis Ferreira - Centro de Teresina
>> 25/11/2010 - São Marcos encerra o ciclo de palestras
>> 24/11/2010 - Campanha prossegue com palestras sobre Nutrição e Atividade Física
>> 23/11/2010 - Câncer de Mama e Colo de Útero são temas de palestras no HSM
>> 23/11/2010 - Palestras do Dia 23/11/10
>> 22/11/2010 - São Marcos inicia campanha de combate ao câncer 2010
>> 19/11/2010 - Campanha de Combate ao Câncer do Hospital São Marcos ? 2010

O Hospital São Marcos tem como um de seus diferenciais uma excelente qualidade no atendimento aos pacientes oncológicos e seus familiares.

O Serviço Social é mais uma equipe que contribui de forma positiva atendendo demandas psicossociais, em um trabalho humanizado e de acolhimento, contribuindo para que paciente/família participem do processo de desmitificação da doença e tratamento.

Atualmente a equipe conta com seis Assistentes Sociais que atuam no âmbito Ambulatorial e Hospitalar realizando um trabalho de orientação, informação e esclarecimento, ou seja, um trabalho de democratização, de resgate da cidadania numa prática baseada no compromisso com a qualidade dos serviços prestados aos usuários, socializando informações, desburocratizando serviços a fim de garantir direitos, bem como, participando da construção de uma assistência integrada em oncologia, através de atendimento qualificado, interdisciplinar e humanizado.

Ações do Assistente Social no Ambulatório:

- Emissão de declarações a pacientes que se encontram fora do seu lugar de origem para inclusão no programa de Tratamento Fora do Domicílio (TFD), promovendo, assim, as condições indispensáveis como: passagens, diárias, continuidade/seguimento de modo a garantir a viabilização desse direito.
- Encaminhamento para setores específicos da instituição de acordo com a necessidade do usuário/família, objetivando inserí-los na rotina institucional, tais como: consultas, exames, cadastro nos programas, encaminhamentos para os demais profissionais e serviços, acesso a recursos materiais, atendimento de casos.
- Cadastro para inclusão do paciente no Núcleo de Assistência Domiciliar e Interdisciplinar ao Paciente Oncológico (NADIPO), que tem como objetivo a prestação de cuidados paliativos a atenção à dor, através da liberação de medicamentos, curativos, etc, para suprir as diversas necessidades dos pacientes internos e externos.
- Agilização de relatórios médico tendo em vista o encaminhamento para atendimento dos pacientes oriundos de outros serviços ou encaminhados a outras instituições.
- Encaminhamentos ou contatos com outras instituições, objetivando garantir o acesso aos recursos da comunidade e aos serviços que possam auxiliar o paciente e sua família, de forma a amenizar e até mesmo sanar as dificuldades na continuidade do tratamento.
- Atenção ao paciente encaminhado ao Transplante de Medula Óssea (TMO) pelo SUS, desenvolvendo um trabalho de facilitador no processo de adaptação e integração: agilização no atendimento, através de contatos freqüentes com o hospital de referência; envio de relatório médico e exames para agendamento preliminar; internação entre médico X paciente X família; emissão de parecer social para agilização de casa de apoio durante o período de permanência longe de seu domicílio, estabelece assistência social direta ou total com relação às questões referentes ao TFD de cada estado; agilização de toda documentação necessária para o bom andamento do tratamento; parceria com a Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC) para contemplação da ajuda de custo ao paciente em condições financeiras desfavoráveis; sensibilizar o paciente/família quanto à importância da adesão ao tratamento, prevenindo e detectando problemas que possam interferir neste processo.
- Inclusão no Programa de Vales Transporte, como forma de garantir a continuidade do tratamento externo de Radioterapia e Quimioterapia a pacientes oncológicos que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco social.
- Busca ativa e resgate de pacientes que não comparecem ao serviço para continuidade ao tratamento, já que a interrupção inadequada oferece riscos ao sucesso da proposta terapêutica.
- Orientações no sentido de garantir acesso aos direitos nas diversas áreas: benefícios previdenciários (auxílio doença, aposentadoria por invalidez); assistenciais (Benefício de Prestação Continuada – BPC / LOAS); trabalhistas (FGTS, PIS/PASEP); Estatuto da Criança e do Adolescente; Estatuto do Idoso; e da existência de entidades jurídicas que defendem o direito de pessoas com câncer.
- Elaboração de relatórios das atividades para a garantia do material teórico e burocrático pertinente ao setor.
- Análise das condições sócio-econômicas para traçar um perfil/parecer social com a finalidade de oportunizar o acesso ao tratamento, bem como a efetivação da parceria com o voluntariado – Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC) e outro recursos da comunidade.
- Campo de estágio para estudantes do Serviço Social da Faculdade Ademar Rosado (FAR), com supervisão, acompanhamento, orientações e esclarecimentos, contribuindo para a formação profissional, oportunizando um processo de discussão de questões teóricas e práticas, através da troca de conhecimento e experiências entre os agentes envolvidos. É um trabalho extensivo em todo âmbito da instituição.

Ações rotineiras do Serviço Social no atendimento Hospitalar:

- Reflexão sistemática sobre o processo de adoecimento (dor, sofrimento) e as formas que permeiam o acesso aos direitos para o enfrentamento deste processo.
- Visitas diárias às enfermarias, que acontecem com um prolongamento do atendimento ambulatorial, visando acompanhar e conhecer melhor a realidade social, econômica e cultura do paciente, para identificar fatores que possam interferir ou até mesmo interromper o tratamento, bem como propiciar uma melhoria na qualidade do atendimento.
- Orientações com relação à necessidade do seguimento do tratamento, atentando para agendamento de exames e consultas pós-alta hospitalar.
- Orientações aos acompanhantes quanto à permanência deste no hospital de acordo com as normas e rotinas do hospital e do Sistema único de Saúde (SUS).
- Viabilização do retorno ao município de origem no momento da alta hospitalar, ou encaminhamento ao atendimento ambulatorial no pós-operatório ou pós-tratamento.
- Encaminhamento às casas de apoio: Lar de Maria e Projeto Abrigar (RFCC) e Lara da misericórdia (Arquidiocese de Teresina), no momento em que se fizer necessário.
- Liberação de veículo para pacientes internados que irão ser submetidos a exames externos ou para agilização da desocupação do leito do paciente de alta em tempo útil.
- Atenção à família do paciente que obitou no hospital: acompanhamento e orientações, facilitando a conduta da família ou responsável nas questões que dizem respeito aos trâmites legais – translado, formalização, sepultamento e registro do óbito.
- Liberação de visitas fora de horário, como forma de atender as necessidades do paciente e família.

Ações rotineiras no atendimento prestado na admissão do SUS

O atendimento do Serviço Social no Serviço de Admissão do SUS tornou-se legítimo e necessário, e funciona também, como uma extensão dos outros atendimentos já mencionados, tem papel fundamental na relação paciente/família/hospital, operacionalizando medidas para a integração do atendimento, de forma humanizada.
É um atendimento de emergência social realizado de acordo com a necessidade imediata e quando detectadas situações que requerem intervenção direta do Serviço Social, como forma de administrar a tensão existente entre as demandas dos pacientes dos serviços requeridos, além de prestar orientações informativo-educativas, fator decisivo para o bem-estar do paciente.

Participação e atuação na Equipe Multidisciplinar

O Serviço Social participa ativamente da equipe multidisciplinar, objetivando subsidiar os aspectos psicossociais, econômicos, culturais e de apoio ao usuário, buscando propiciar a melhoria da qualidade de vida, dentro dos limites que a doença lhe impõe, compreendendo o paciente como sujeito, dentro de uma visão global e integrada do ser humano, promovendo-lhe a saúde e melhoria da qualidade de vida.
Participação no Grupo Informativo e de Apoio aos Pacientes de Radioterapia (GRAP), no Encontro Informativo da Oncologia (EI) e no Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar ao Paciente Oncológico (NADIPO), repassando orientações informativo-educativas quanto às atividades oferecidas pelo setor e pelo hospital e, quanto aos direitos que a legislação brasileira dispõe aos pacientes portadores de câncer, auxiliando os mesmos durante o processo de tratamento.

Outras participações

- Participa das reuniões clínicas às quartas-feiras, realizando o registro das atas.
- Visitas médicas da Oncologia e Ginecologia
- Comissão de Pesquisa e Ética do hospital.

RESULTADO DE EXAMES - CLIENTES
ACESSO RESTRITO - PROFISSIONAL